QUEM OCUPA NÃO TEM CULPA! Toda solidariedade às vítimas do incêndio do Largo do Paissandú

01/05/2018 Destaques, Notas, PSOL

Na madrugada desta terça-feira (1) um trágico incêndio e desabamento em um prédio no Largo do Paissandú, no centro de SP, deixou mais de 150 famílias desabrigadas. A construção foi abandonada pelo poder público desde 2003, quando ainda era utilizada pela Polícia Federal, e após seis anos com seus 26 andares ociosos, foi ocupada em 2009 através do MLSM (Movimento de Luta Social por Moradia).

O que aconteceu foi mais uma tragédia anunciada do drama que a especulação imobiliária feroz produz na cidade de São Paulo e em outras tantas grandes metrópoles. O lema “tanta casa sem gente e tanta gente sem casa” segue atual. São mais de 7 milhões de imóveis vazios no país, e 6,2 milhões de famílias sem casa. Esta distorção evidente é causa direta de casos como o que aconteceu no centro de São Paulo nesta madrugada.

É lamentável o descaso do poder público com este massacre cotidiano à vida de tantos trabalhadores e trabalhadoras, que são progressivamente expulsos para as periferias da cidade em busca de aluguéis acessíveis, até o momento em que o dinheiro não cobre mais as despesas com o aluguel e a única alternativa para estes tantos milhões de trabalhadores é ocupar estes milhões de prédios comodamente deixados ociosos por seus proprietários.

No ano de 2017, o governo de Michel Temer aplicou apenas 9% dos valores previstos com moradia no orçamento nacional. As principais afetadas por estes cortes foram as famílias que recebem até 1.800 reais. Enquanto isso, a prefeitura de Bruno Covas oferece como solução às famílias desabrigadas no incêndio desta madrugada o deslocamento para abrigos municipais que costumam ser destinados à população em situação de rua. E o governador Márcio França coloca a culpa nas próprias famílias pela situação desesperadora pela qual estão passando.

O PSOL São Paulo exige investigações céleres e responsáveis sobre as causas do incêndio e do desmoronamento, que avaliem a irresponsabilidade do poder público sobre o abandono destas pessoas. Assim como vamos cobrar soluções da prefeitura e do governo do estado para garantir o direito à moradia das famílias desabrigadas. De nossa parte, também receberemos doações de roupas e alimentos para as vítimas do incêndio em nossa sede na cidade São Paulo (Al. Barão de Limeira, 1412).

O PSOL São Paulo também repudia a culpabilização destas famílias pela situação que estão passando. A culpa é da falta de políticas públicas de habitação sérias no país e que enfrentem a especulação imobiliária, que faz com que cada vez mais pessoas não tenham onde viver. Enquanto morar seguir sendo um privilégio, ocupar é não só um direito, como um dever!

PSOL São Paulo