PSOL São Paulo aprova o fortalecimento dos núcleos de base e periodicidade das reuniões das instâncias partidárias

05/02/2018 Congresso do PSOL, Destaques, PSOL

A Executiva Municipal do PSOL São Paulo mostrou que é possível com o esforço constante da construção de resoluções consensuais e que representassem os mais variados posicionamentos internos no partido, avançar em nossa inserção social e respostas políticas às necessidades da classe. Um dos desafios para o próximo período é aprofundar este esforço de todos os setores partidários para apresentar o PSOL como um porto-seguro aos ativistas de esquerda da cidade dispostos a enfrentar as medidas de João Doria.

A eleição de dois vereadores nas últimas eleições, com a eleição de Toninho Vespoli e Sâmia Bomfim, foi de extrema importância para ampliar a capacidade de atuação do partido nas lutas da cidade, ainda mais em tempos de ataques constantes como acontece na gestão Doria. O partido é cada vez mais referência na oposição ao projeto privatista do prefeito. A atuação da suplente Isa Penna durante o mês das mulheres em 2017, assim como nas lutas no parlamento e fora dele também merece muitos elogios e mostra o rumo certo que o PSOL vem trilhando na cidade.

Na campanha eleitoral de 2016 também pudemos avançar no processo de unidade partidária e na construção de mais democracia interna, que refletiram em iniciativas importantes como um canal de comunicação direta de apoio aos candidatos e candidatas. O processo de construção de uma chapa muito qualificada e representativa, com a presença de diversos representantes de movimentos populares que constroem diariamente o partido, com mulheres, negros e negras, LGBTs e muitos trabalhadores e trabalhadoras, foi fundamental para a ampliação da nossa bancada de vereadores na Câmara Municipal.

O Diretório Municipal realizou um debate aberto ao público com a presença da nossa bancada de vereadores para avaliar os primeiros seis meses do governo Doria, com representação de lideranças dos vários núcleos do partido na cidade com o objetivo de incentivar que este debate fosse levado para todas as regiões onde o PSOL tem atuação. O Diretório também promoveu encontros de núcleos regionais, com temas e ações em comum para o fortalecimento das pautas locais e da organicidade dos núcleos. Também incentivou a participação dos núcleos regionais em panfletagens convocando para as Greves Gerais de 2017 nos terminais de ônibus e estações de metrô.

A nova sede do PSOL em São Paulo, conquista também das últimas gestões estadual e municipal do partido, é mais uma ferramenta que os ativistas do partido têm para se organizarem no dia-a-dia e realizar atividades, debates, rodas de conversa, e o que mais puder ser feito para fortalecer a sua articulação na luta por direitos na cidade. Ela deve cada vez mais pulsar a construção cotidiana do partido.

A política de nucleação dos mais de 7 mil filiados ao partido na capital precisa ser aprofundada e a criação de novos núcleos do partido (são mais de 20 atualmente pela cidade) estimulada para enraizá-lo em todas as regiões. Apesar dos baixos recursos estruturais que o Diretório Municipal tem a sua disposição, é importante seguir avançando na política de filiação de novos ativistas e em uma política de comunicação cada vez mais dinâmica e próxima aos filiados e simpatizantes do partido.

Tivemos importantes iniciativas institucionais no último período, como a representação no Ministério Público contra o prefeito João Doria e o vereador Fernando Holiday sobre as denúncias de caixa 2 nas eleições municipais de 2016, contra a Farinata e a privatização do metrô. Também estivemos integrados nas principais lutas sociais do período, como no ato do 8 de Março, na Marcha das Mulheres Negras, nos atos contra os desmontes de políticas públicas para as mulheres do governo Doria, na articulação de frentes de luta unitárias entre os ativistas da cidade contra os governos golpistas e no incentivo à criação e desenvolvimento dos Bairros Sem Medo, que tem agregado diversos movimentos sociais na defesa dos direitos dos paulistanos e paulistanas.

As condições materiais para a construção de um partido de esquerda, socialista e coerente são longe das ideais, mas isso não é novidade para nós. Com os poucos recursos à disposição, é fundamental que no próximo período a organicidade do partido na cidade e sua estrutura interna sejam fortalecidas. O PSOL tem plena capacidade de ser protagonista no processo de reorganização da esquerda brasileira.

O PSOL precisa se credenciar como ferramenta da uma nova etapa da reorganização da esquerda socialista. Assim é preciso que a estrutura do PSOL São Paulo reforce a sua atuação em núcleos para se tornar mais aberto a esse processo.

Os desafios que a conjuntura política apresentam ao PSOL não são poucos e portanto a nossa responsabilidade cresce exponencialmente. Para enfrentar o poderio político-econômico-midiático de João Doria à frente da Prefeitura, nosso partido não tem outra opção a não ser ter a capacidade de atuação conjunta no dia-a-dia do movimento social. É urgente ao partido conseguir lidar melhor com as naturais divergências entre seus militantes e buscar resoluções comuns para que possamos resistir aos desdobramentos cotidianos do golpe e postular o PSOL como polo central da reorganização da esquerda tanto no Brasil como em São Paulo.

 

Nesse sentido propomos:

– Obrigatoriedade de reuniões bimestrais do Diretório Municipal; obrigatoriedade de executivas municipais mensais;

– Obrigatoriedade de plenárias trimestrais de base

– Obrigatoriedade de funcionamento regular das instâncias das setoriais nos mesmos moldes das instâncias nacionais e estaduais e com apoio material da direção do partido

– Contribuição regular dos parlamentares e assessores, nos termos do Estatuto do partido, para financiar as atividades do partido;

– Apresentação de um plano de cada secretaria para ser executado durante a gestão.

– Gestão compartilhada dos recursos do diretório para os setoriais (não sejam controlados por um grupo eventual majoritário ou as tesourarias nacional/estaduais);

– Política concreta de construção de núcleos do partido nos bairros, com reuniões periódicas entre a direção do partido e os núcleos, criação de novos núcleos e avançando no cadastro dos núcleos existentes, além de acompanhar as reuniões e atividades;

– Realização de outros encontros de núcleos, a exemplo do realizado ano passado, com um encontro central e encontros regionais;

– Estabelecer que os parlamentares têm que participar regularmente das instâncias dirigentes do partido;

– Coletivização efetiva dos mandatos conquistados pelo partido. Apoiar-se em experiências como a do mandato de Toninho Vespoli em São Paulo (que abriu mão de um mandato/salário por um período para que a primeira suplente Isa Penna, de outro setor partidário, pudesse assumir no mês de março para a formação de uma bancada totalmente feminista durante o mês das mulheres) e de diversos outros parlamentares Brasil a fora que colocam seu mandato a serviço da construção do PSOL e não apenas da sua tendência, respeitando a diversidade partidária.

– A Executiva Municipal deve se debruçar em apresentar um plano de formação indo aos bairros, organizando ciclos locais a luz de experiências como a RJ, onde a executiva municipal organiza formações por núcleos nas regiões de tais núcleos

– Os núcleos devem se construir como experiências de organização real da militância para intervir nos seus territórios, locais de trabalho ou estudo, a fim de ampliar a inserção do partido junto à população trabalhadora e jovem, explorada e oprimida.

– Promover reuniões periódicas para a apresentação do partido e recepção de novos filiados; Aprimorar a política de comunicação do partido, com o aprimoramento da página e intensificação dos canais de comunicação existentes: boletim digital, Facebook, Telegram, grupo de Whatsapp;

– Desenvolver uma política de formação para os filiados.

– Contribuição regular dos parlamentares e assessores, nos termos do Estatuto do partido, para financiar as atividades do partido;

– Reuniões periódicas da executiva e do diretório, como forma de aprimorar nossa intervenção na cidade, dar mais dinamismo e acompanhar as ações das secretarias