Fernando Holiday faz patrulha ideológica nas escolas de São Paulo. Reação do PSOL é imediata!

04/04/2017 Câmara Municipal, Carlos Giannazi, Destaques, Direitos Humanos, Educação, Parlamentares, PSOL, Sâmia Bomfim, Toninho Vespoli

image_large (1)O vereador Fernando Holiday (DEM), representante do Movimento Brasil Livre (MBL), decidiu assumir o papel de “polícia política” e divulgou um vídeo em suas redes sociais que mostra suas visitas a escolas municipais para “fiscalizar” os conteúdos dados em sala de aula para averiguar uma suposta “doutrinação ideológica”. A reação do PSOL foi imediata para não deixar que esta conduta ilegal de Holiday prossiga com constrangimentos e assédios morais aos professores das escolas públicas.

O deputado estadual do PSOL Carlos Giannazi, membro da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa, protocolou na manhã desta terça-feira (4) uma representação no Ministério Público de São Paulo (MP-SP) e outra na Corregedoria da Câmara Municipal contra as atitudes do vereador do Democratas. A ação é articulada com os outros mandatos parlamentares do PSOL na cidade. Giannazi afirmou em entrevista à Rede Brasil Atual que “a atitude dele é ilegal. Ele não tem essa prerrogativa, como vereador, para fiscalizar a metodologia dos professores. Isso é abuso de autoridade, além de assediar e constranger os funcionários das escolas”.

A fiscalização cabível ao cargo do vereador se restringe à estrutura física do equipamento público. “Ele não é supervisor de ensino, ele não tem formação para isso. O máximo que ele pode fazer é fiscalizar a estrutura física (da escola). Ele deveria se ocupar em denunciar o desmantelamento das salas de informática e brinquedotecas que o Doria está fechando”, continua o parlamentar do PSOL.

A vereadora do PSOL Sâmia Bomfim também reagiu rapidamente à atitude ilegal do parlamentar do MBL e protocolou hoje o Projeto de Lei “Escola Sem Censura”, que defende a liberdade de pensamento e a autonomia dos professores nas escolas municipais. Você pode ler a íntegra do projeto aqui!

Sâmia se pronunciou hoje no plenário da Câmara Municipal, que contava com a presença de Fernando Holiday. “Fiscalize as salas de aula que estão completamente lotadas enquanto há professores concursados que não estão sendo convocados pela prefeitura. Aproveite e fiscalize o governo do Estado, que tem amplos escândalos de desvio de merenda e o senhor nunca abriu a boca pra falar disso”, mandou o recado a vereadora do PSOL. Você pode assistir a fala na íntegra aqui!

A vereadora do PSOL Isa Penna, que cumpre os últimos dias de seu mandato feminista na Câmara Municipal, também se pronunciou através das redes sociais e disse que é “importante salientar que o Plano Municipal de Educação aprovado na cidade no ano passado tem graves falhas, porém ele coloca como uma de suas diretrizes a promoção dos Direitos Humanos. Desta forma, as visitas de Holiday não só extrapolam suas funções parlamentar, como o tema da sua visita vai contra a legislação que rege a educação municipal”.

O vereador licenciado do PSOL e professor Toninho Vespoli, que voltará à Câmara Municipal nos próximos dias, também se mostrou inconformado com a atitude de Holiday. “Ao invés de se preocupar com camisetas, Holiday e a turma da patrulha política poderia colaborar muito mais com a educação da cidade ao apontar para o prefeito, já que compõe a sua base de apoio, as dificuldades dos profissionais da educação e os problemas das precárias estruturas de algumas escolas. Não permitiremos que São Paulo viva um clima de inquisição ou caça às bruxas”, disse o professor Toninho Vespoli.

Todos os mandatos parlamentares do PSOL em São Paulo estão também deixando seus gabinetes à disposição para acolher denúncias de novos assédios morais praticados por Fernando Holiday e sua turma contra a classe dos professores da cidade. Professor, não deixe de denunciar! Não se cale!