PSOL segue na luta pela democracia

19/04/2016 Notas, PSOL

size_810_16_9_bandeira-do-psolA democracia brasileira e a vontade popular foram atacadas neste domingo. Conduzido por um réu do Supremo Tribunal Federal e urdido por um vice-presidente que conspira contra a legalidade, o processo de impeachment aprovado pela Câmara dos Deputados é ilegal – por não se basear em crime de responsabilidade comprovado – e ilegítimo – por ser liderado pelo corrupto Eduardo Cunha. Por essa razão a bancada do PSOL votou unida contra o golpe parlamentar: Ivan Valente, Chico Alencar, Glauber Braga, Jean Wyllys, Edmilson Rodrigues e Luiza Erundina representaram os anseios dos setores democráticos e progressistas que não aceitam as saídas conservadoras representadas pelo impeachment. 
Como oposição de esquerda ao governo Dilma, deixamos claro ao longo de todo o processo na Câmara dos Deputados que nosso engajamento na luta contra o golpe parlamentar não significava apoio à agenda conservadora do governo liderado pelo PT. Como repetido exaustivamente por nossos parlamentares, nossa luta é pela democracia.
Nosso engajamento continua nas ruas. Apoiaremos a mobilização da Frente Povo Sem Medo para pressionar o Senado Federal contra a consumação do golpe parlamentar iniciado pela Câmara dos Deputados. Não veremos qualquer legitimidade num eventual governo Michel Temer, que afrontaria a soberania popular e o resultado das urnas. Buscaremos constituir uma alternativa para a atual crise política e econômica através de um programa de reformas populares e em diálogo com os lutadores sociais que estão nas ruas em defesa da democracia e da manutenção dos direitos sociais. Esse é o compromisso do PSOL: reconstruir um projeto de esquerda para o Brasil.
Executiva Nacional do PSOL
Brasília, 18 de abril de 2016