31 de março é dia nacional de luta unificada contra o ajuste fiscal e a reforma da previdência

29/02/2016 Destaques

frente-povo-sem-medo

 

No próximo dia 31 de março, entidades sindicais e organizações sociais que atuam em diversas áreas realizarão, em todo o país, um dia nacional de lutas unificado, com o objetivo de denunciar, para toda a sociedade, as medidas em curso, que penalizam a classe trabalhadora, a juventude e o povo mais pobre do país. Além disso, também querem mostrar que não aceitarão as investidas conservadoras, que colocam em risco direitos já conquistados e impedem a possibilidade de novos avanços sociais. O ajuste fiscal, os cortes nos gastos sociais e a reforma da previdência, anunciados pelo governo, estão entre os principais pontos da pauta unificada, que também engloba a defesa do emprego e dos direitos dos trabalhadores; fora Cunha; e contra o impeachment de Dilma.

O PSOL, que ao lado de organizações como MTST e Intersindical – Central da Classe Trabalhadora constrói a Frente Povo Sem Medo, participará das manifestações e, nesse sentido, convoca a sua militância a estar presente tanto no evento nacional, que será em Brasília, quanto nos estados.

A posição de participar do dia unificado de lutas foi aprovada durante reunião da Executiva Nacional do partido, em 20 de fevereiro, e pode ser conferida na resolução que segue abaixo.

PSOL convoca militância para manifestações do dia 31 de março
A Executiva Nacional do PSOL, de acordo com a articulação feita pela Frente Povo Sem Medo, conjuntamente com a Brasil Popular, de construir as manifestações do próximo dia 31 de março, convoca seus militantes e filiados a participarem, com identidade e políticas próprias, tanto no evento nacional, convocado para Brasília, quanto nos estados em que for possível construir a unidade em torno do programa definido nacionalmente e priorizando os locais em que houver presença de nossos principais aliados no movimento social.

As pautas unitárias são: contra a reforma da previdência; não ao ajuste fiscal e os cortes nos gastos sociais; em defesa do emprego e dos direitos dos trabalhadores; fora Cunha; e contra o impeachment de Dilma.