PSOL protocola solicitação de audiência com Haddad para reverter aumento da passagem

14/05/2013 Destaques, Haddad, Transporte

Nesta segunda-feira, 13 de maio, o presidente do PSOL da cidade de São Paulo Maurício Costa de Carvalho e o vereador Toninho Vespoli protocolaram na prefeitura pedido de reunião com Fernando Haddad para reivindicar o fim da política de aumento automáticos de tarifas de ônibus e uma ampla discussão na sociedade sobre o Plano de Mobilidade na cidade de São Paulo. Tal reivindicação foi feita após o prefeito anunciar o que o preço dos transportes aumentará no início de junho.
Além do fato de que o valor atual de R$ 3,00, um dos mais altos do Brasil, já representa um peso enorme no orçamento dos paulistanos impossibilitando o acesso à cidade e seus equipamentos públicos, o aumento das tarifas de ônibus – especulado em R$ 3,40 – vai na contramão da necessidade dos usuários do transporte público na cidade que convivem diariamente com a superlotação, demora nos pontos, baixa velocidade nos corredores e engarrafamentos. O mesmo pode ser dito do Metrô e dos trens da CPTM, cada vez mais sucateados, lotados, com constantes falhas e trabalhadores vivendo em situação de sufoco com o arrocho salarial e ausência de novos concursos.O gatilho automático de aumento do Metrô e da CPTM assim que aumentarem as tarifas de ônibus também já foi anunciado pelo governador Geraldo Alckmin.
Aos altos preços e à péssima qualidade do transporte paulistano soma-se ainda o descumprimento sistemático da prefeitura – antes na gestão Kassab do PSD e agora na gestão do PT – com a determinação de que as alterações no sistema público de transportes sejam parte da elaboração do Plano de Mobilidade Urbana (PMU) participativa e democrática previsto na lei federal 12.587 e que deve ser objeto de amplo debate associado ao Plano Diretor Estratégico do município. Para Maurício Costa “aumentar as tarifas e alterar o sistema de concessões sem amplo debate popular é um golpe do Plano de Mobilidade Urbana e no Plano Diretor de São Paulo. É a política do fato consumado.” Segundo a lei federal, o PMU é o instrumento responsável por discutir e decidir sobre “os mecanismos e instrumentos de financiamento do transporte público coletivo e da infraestrutura de mobilidade urbana” (art. 24).
Para o PSOL é fundamental que a política de financiamento dos transportes seja alvo de subsídio e controle públicos como condição para a democratização do direito à cidade. Para o vereador Toninho Vespoli “é fundamental repensar o transporte com o princípio do acesso universal ao sistema público inclusive porque isso representa acesso à cultura, ao lazer, à saúde e educação, direitos que as altas tarifas suprimem”. A reunião com Haddad é parte de uma ampla campanha aprovada pelo partido contra o aumento das passagens e em defesa de um Plano de Mobilidade Urbana que garanta transporte público e de qualidade como direito de todos.